Gilmar Mendes diz acreditar em “boa-fé” de Bolsonaro, mas fala em “delírios”